Programa Ambiental - Cultura Tecnologia e Meio Ambiente

O Programa Ambiental gera a interação entre as atividades náuticas, o uso da tecnologia, o resgate da cultura da maritimidade e o meio ambiente. Neste sentido, parcerias com universidades, organizações não governamentais, órgãos públicos e empresas privadas são estimuladas e bem-vindas, promovendo a sinergia e o fortalecimento de diversas ações e projetos.

Projetos em andamento:

Projeto Baía de Guanabara

O Projeto Baía de Guanabara, uma parceria entre o Projeto Grael, a BG Brasil, Prooceano e LAMMA/LAMCE-UFRJ  representa um avanço tecnológico específico para o monitoramento ambiental da Baía. Ele permite o conhecimento das correntes marítimas, complementando dados sobre as propriedades físico-químicas da água. O estudo das correntes gera dados preciosos para a gestão de risco das empresas que trabalham na Baía de Guanabara (transporte, reparos, construção etc), para a sociedade que utiliza a Baía para o lazer e para as empresas e instituições que efetuam coleta de resíduos flutuantes. Como consequência, a ação de coleta dos resíduos se dará de forma mais inteligente e precisa, havendo a possibilidade de efetuar uma previsão desses locais, evitando desperdiçar recursos e tempo. Com a proximidade das Olimpíadas, ações como esta podem agregar dados muito importantes a todo o plano de limpeza da Baía.

O Projeto Baía de Guanabara utiliza mão de obra de alunos e ex-alunos do Projeto Grael, aptos a manejar embarcações com as características da lancha do projeto. No entanto, eles são muito mais do que operadores de lancha. Os jovens estão em constante treinamento e capacitação para coleta de dados ambientais, além de efetuarem a disseminação do programa a comunidades e também aos demais alunos do Projeto Grael. Além disso, este projeto contribui para o registro de imagens da Baía de Guanabara, suas belezas, problemas, ações, habitantes, através da Oficina de Fotografia Digital, que foi aberta a jovens de 16 a 24 anos de idade, estudantes de escola pública.

Projeto Niterói Águas Limpas – Fase 2

Nesta nova fase, o projeto adquiriu características de ação direta, não abandonando o importante componente de educação ambiental. Nossa parceira, a Concessionária Águas de Niterói, adquiriu uma embarcação francesa específica para coleta de lixo flutuante, a qual é operada pelo Projeto Grael desde maio de 2010. O objetivo é o estudo, a coleta e o monitoramento do lixo flutuante da Enseada de Icaraí e de Jurujuba, em Niterói. O projeto prevê uma série de atividades voltadas para a temática ambiental junto aos alunos do projeto,  além do desenvolvimento de campanhas  junto à sociedade em geral.
Em 2011, o Projeto Águas Limpas participou da operação de limpeza da raia onde ocorreram as regatas dos Jogos Mundiais Militares, nas proximidades da Escola Naval, no Rio de Janeiro.

Projeto Conhecendo a Baía de Guanabara

Projeto de extensão do Laboratório de Modelagem de Processos Marinhos e Atmosféricos – LAMMA / UFRJ, que foi desenvolvido a partir da experiência anterior com o Projeto Grael no curso de meteorologia e oceanografia. Hoje, este projeto tem o foco na Baía de Guanabara, porém, é mais amplo, envolvendo outros departamentos, formando um curso multidisciplinar. Os alunos aprendem sobre a história, ocupação, biologia, qualidade da água e do ar, geologia, ventos, e outros aspectos físicos, sociais e ambientais da Baía de Guanabara. Está aberto a estudantes de escola pública de 16 a 24 anos e é o único curso livre do Projeto Grael, ou seja, não é necessária a participação no Programa completo – vela, profissionalizante e projeto ambiental.

Projeto Ecopesca

Projeto de extensão do Laboratório de Ecopesca do Departamento de Biologia Marinha da UFF, atende aos alunos da turma de Básico Dingue 2, que tem entre 13 e 15 anos de idade. Estes alunos aprendem não somente a história da pesca na Baía de Guanabara, como também o ambiente em que esse pescado vive. Assim, conceitos de qualidade da água, salinidade, temperatura, formação geológica dos sedimentos, além da biologia e ecologia dos peixes, são estudados.

Projetos Complementares

Informática - O Laboratório de Informática aproxima o conteúdo que os alunos aprendem nas aulas da linguagem digital. Acompanhando essa crescente informatização de serviços que é observada também na área náutica, onde cada vez mais instrumentos de segurança e navegação dependem do domínio da informática para serem acessados e utilizados.

Biblioteca - A biblioteca conta hoje com mais de 3.500 títulos com o foco em náutica, meio ambiente e literatura infanto-juvenil e tem como objetivo geral o estímulo dos alunos do Projeto Grael para o hábito da leitura. Seu acervo, totalmente doado por diversos colaboradores, encontra-se em fase de catalogação, porém, o mesmo já está disponível à comunidade para consulta e pesquisa. Futuramente, todos os títulos de seu acervo, estarão disponíveis para consulta na internet.

Rede de Colaboradores do Projeto Golfinho Flíper

Com uma enorme extensão geográfica e variedade de ecossistemas, o Brasil é dono de um magnífico patrimônio biológico. Isto é motivo de grande orgulho, mas ao mesmo tempo, envolve uma imensa responsabilidade em criar e implementar estratégias de proteção desses locais e da vida selvagem que neles habita.

Um dos objetivos inseridos no Projeto Ilhas do Rio, sob responsabilidade do Instituto Aqualie, é monitorar a dinâmica populacional dos golfinhos-flíper que vem sendo estudada no Arquipélago das Cagarras desde 2004, através da obtenção de dados sobre fidelidade de área, tamanho e composição de grupo e organização social. O Projeto Grael compõe a rede de colaboradores informando dados sobre avistagens ao Instituto Mar Adentro, tais como coordenadas, comportamento, número de indivíduos no grupo, etc. Esses dados são muito importantes para o conhecimento da espécie. Você também poderá participar, preenchendo a ficha de avistamento.

Lembre-se: golfinhos podem abandonar uma área se forem continuamente perturbados. Você é parte do esforço global para ensinar as pessoas a protegerem os golfinhos e o seu ambiente.


Projetos já Concluídos:

Noções de Meteorologia e Oceanografia

Curso de Noções de Meteorologia e Oceanografia foi realizado em parceria com o Laboratório de Modelagem de Processos Marinhos e Meteorológicos da UFRJ (LAMMA), entre os anos de 2006 e 2010. Neste período, alunos e professores voluntários do LAMMA levaram aos jovens temas como fenômenos meteorológicos, estudo dos eventos da atmosfera, interpretação de carta náutica, maré, correntes e ondas. Conteúdos estes indispensáveis à segurança do navegador. Este curso foi ampliado e transformado, sendo, atualmente, o Conhecendo a Baía de Guanabara.

Projeto Niterói Águas Limpas - Fase 1

Niterói Águas Limpas aconteceu entre março e agosto de 2006 e contou com 33 alunos de diversos cursos do Projeto Grael, que monitoraram a dinâmica do lixo flutuante levado pelas águas da Baía de Guanabara às praias da Boa Viagem, Flexas e Icaraí, todas no município de Niterói. Os alunos, com idade entre 15 e 24 anos, tiveram a oportunidade de operar instrumentos como bússolas, anemômetros e biruta.

O projeto Niterói Águas Limpas gerou um relatório que foi encaminhando à Concessionária Águas de Niterói e à Companhia de Limpeza Urbana de Niterói (CLIN) – empresas de saneamento básico em Niterói –, bem como à Secretaria Municipal de Recursos Hídricos e Meio Ambiente. Sua realização foi possível com o patrocínio da Concessionária Águas de Niterói e da CLIN, e o apoio do Brasil I, da Pró-Reitoria de Extensão (ProEx) e Instituto de Geociências (IGeo)/UFF; do Museu de Arte Contemporânea de Niterói (MAC)/Secretaria de Cultura de Niterói (FAN), do Instituto Baía de Guanabara (IBG) e do Laboratório de Modelagem de Processos Marinhos e Atmosféricos (LAMMA)/UFRJ.

Musicalização

O curso de Musicalização foi uma iniciativa que aconteceu entre 2004 e 2006 e atendeu, além de alunos do Projeto Grael, crianças da comunidade. Com idade entre nove e 12 anos, os participantes tinham noções básicas de ritmo, partitura e canto. O principal objetivo era, através da música, contribuir para melhorar o rendimento de alunos que apresentassem dificuldade de concentração e relacionamento com os demais.

Terra à Vista (Meio Ambiente)

Realizado em parceria com o Instituto de Geociências da Universidade Federal Fluminense (UFF), foi um projeto de educação sócio-ambiental. Seus objetivos gerais foram, a partir da ótica do navegador, ou seja, do mar para o continente, e da história sócio-ambiental da Baía de Guanabara, discutir a relação do ser humano com o meio através de atividades como cartografia, orientação e meio ambiente. Visava também à formação de futuros multiplicadores ambientais, desenvolvendo a capacidade de comunicação em público, trabalho em equipe, pesquisas de campo etc. Foram atendidos jovens com idade entre 16 e 22 anos de idade. Todas as atividades aconteciam três vezes por semana, sendo uma das aulas de vela ou natação. Duas de suas principais características foram a complementação aos cursos de Iniciação Profissionalizante e a possibilidade de, a cada semestre, haver uma programação diferenciada, oferecendo aos jovens uma formação continuada.

Conteúdo Programático Básico:
• Escalas;
• Interpretação de cartas náuticas e topográficas;
• Utilização de bússola;
• Meio ambiente;
• Pesquisa e produção de informações e
• Análise e interpretação da paisagem.

Este projeto será substituído pelo Ciência a Bordo, hoje buscando patrocinadores.

Projeto Água Viva

O Água Viva foi um programa de educação ambiental cujo “pano de fundo” é o Monitoramento Perceptivo da qualidade das Águas da Baía de Guanabara. Para a classificação são utilizados parâmetros perceptivos coletivos como turbidez, presença de lixo flutuante, óleo etc. Também são coletados dados como condições do tempo, temperatura, vento e pluviometria (referente a chuva).

O objetivo maior é estimular os alunos a observarem como fenômenos meteorológicos contribuem na qualidade das água das Baía de Guanabara. Desta forma, pretende-se estimular o olhar crítico sobre a questão ambiental local, sendo estas observações o ponto de partida para discussões maiores, como a expansão e ocupação urbana, degradação dos ecossistemas locais, entre outros temas.

Oficina de Arte

A Oficina de Arte aconteceu em parceria com a Secretaria de Cultura de Niterói/Fundação de Artes de Niterói (FAN) por meio do projeto Cultura para Todos – Oficinas Culturais, desenvolvido pela mesma. Nela foram atendidos alunos com idade entre nove e 12 anos, matriculados nas aulas de natação ou vela do Projeto Grael.

Programa de Geração de Renda – Artesanato Náutico

Entre 2006 e 2011, o programa qualificou a comunidade para o trabalho e para a melhoria de qualidade de vida num empreendimento coletivo. A iniciativa teve início nas dependências do Projeto Grael, em conjunto com as mulheres da comunidade de pescadores de Jurujuba, onde a cultura e trabalhos referentes ao mar sofrem com a decadência dos recursos socioambientais do entorno da Baía de Guanabara. O resultado do primeiro grupo formado pelo Geração de Renda foi a confecção de bolsas com temática e materiais náuticos.

Artesanato Náutico, além de valorizar o saber da comunidade, promoveu a sustentabilidade local e a Cultura da Maritimidade.




Parceiros

Colabore com o
Projeto Grael

Na Rede